Guia para as crianças verem TV e vídeo.

Guia para as crianças verem TV e vídeo.

with Nenhum comentário
· Reading Time: 5 minutes

Pense na TV, nos vídeos e nos aplicativos de celular e tablet como se fossem açúcar: você até deixa seu filhinho consumir, mas com moderação. Ou seja, você precisará prestar atenção ao tempo que a criança passa em frente a uma tela.

A tendência a ver vídeos ou outras atrações eletrônicas cada vez mais cedo é inegável e é importante que os pais estejam por perto quando uma criança pequena está vendo TV ou algum vídeo.

Não há boas estatísticas para o Brasil, mas há dados afirmando que uma criança norte-americana, por exemplo, passa até sete horas por dia interagindo com eletrônicos e vídeos, enquanto a Academia Americana de Pediatria recomenda no máximo uma hora por dia para crianças de até 5 anos.

Mesmo no caso de programas educacionais, estudos mostram que é só a partir de 2 anos de idade que as crianças têm a habilidade de transferir o conhecimento que está nas telas para o mundo real.

Veja também as recomendações sobre TV e vídeos para bebês.

Ser rigoroso com as regras desde o primeiro dia é a chave para manter o tempo de TV e filmes sob controle. É mais fácil flexibilizar as regras depois do que deixar para criá-las mais tarde.

Da mesma forma, o uso de smartphones e tablets deve ser limitado para não “roubar” o tempo de outras atividades importantes para a criança, como brincar e usar a imaginação com objetos tridimensionais, de texturas, tamanhos e pesos variados.

O receio dos especialistas é que a exposição exagerada a esses aparelhos tenha impacto sobre a capacidade de concentração da criança. Além disso, pode incentivar uma vida mais sedentária.

A recomendação médica é que as crianças se movimentem livremente ao menos três horas por dia para crescer de forma saudável.

Você não precisa ignorar a tecnologia. É importante que seu filho também desenvolva habilidades digitais, mas com o tempo e nos momentos adequados, sem prejudicar as atividades ao ar livre ou a interação social.

Veja a seguir dicas para fazer dos vídeos um instrumento de aprendizado.

Controle o tempo

Se seu filho tiver menos de 2 anos, é melhor reduzir o tempo de vídeos ao mínimo possível, e sempre com algum adulto por perto.

Pesquisas mostram que crianças entre 15 meses e 2 anos podem aprender a partir de vídeos, mas apenas se os pais (ou um cuidador) estiverem presentes e interagindo com elas (repetindo o que aparece na tela ou chamando atenção para algum detalhe, por exemplo).

Para os que já têm 2 anos, deixe-os assistir a programas ou filmes por até uma hora por dia mesmo uma hora já é muito para uma criança ativa.

Não deixe o aparelho de TV no quarto da criança ou que ela tenha acesso direto a outros aparelhos, e mantenha tudo desligado na hora das refeições.

Escolha os programas

Selecione cuidadosamente o que seu filho vai ver e desligue quando o programa ou atividade acabar.

Procure acessar serviços de vídeo que fujam das propagandas.

Avisar seu filho uns dois minutos antes que o programa (ou o trecho que você está deixando que ele assista) vai acabar dali a pouco também ajuda na transição para a próxima atividade.

Quando a criança for um pouquinho maior e já entender mais, você pode “combinar” até que parte do filme ou do vídeo ela poderá assistir. O restante fica para os próximos dias.

Prefira programas calmos e tranquilos

Programas mais lentos ajudam seu filho a ter tempo para pensar e absorver as informações que está vendo. Muita ação e cenas que mudam rápido demais podem confundi-lo.

Alguns estudos sugerem que crianças que veem violência nos vídeos podem se tornar mais agressivas.

Fique longe de programas assustadores demais, principalmente se estiver perto da hora de dormir.

Prefira os mais simples, que enfatizam a interatividade. Os melhores são aqueles que inspiram seu filho a dizer palavras, cantar e dançar.

Assista à TV junto com seu filho

Um estudo trabalhou com três grupos: crianças com acesso ilimitado à TV, crianças com acesso moderado que assistiam aos programas sem os pais, e crianças com acesso moderado que assistiam aos programas acompanhadas dos pais.

O terceiro grupo crianças que viam TV com os pais saía-se melhor nos estudos que os outros grupos. Estar com seu filho passa a ele a mensagem de que o que é importante para ele é importante para você também.

Claro que muitas vezes a gente acaba usando o vídeo um pouco como uma babá muitas pessoas fazem isso quando precisam.

Mas, quando você deixa a criança vendo programas sozinha por muito tempo, mostra a ela que não se importa muito com o que ela assiste.

Experimente pegar o cesto de roupas lavadas para separá-las na sala, ou invente alguma tarefa para fazer no ambiente em que seu filho estiver, para ver o programa junto com ele. Assim, os dois podem aproveitar essa atividade.

Também é legal ajudar seu filho a manter um “olhar crítico”. Explique o que está aparecendo na tela, encoraje-o a fazer perguntas e ligue o que está acontecendo no programa com a vida dele.

Se for possível, não tenha medo de usar o botão de “pausa” para ter tempo de conversar com seu filho sobre o que está passando na tela. Comente alguma coisa de que não gostou, por exemplo.

Se houver comerciais, ajude seu filho a entender a diferença entre eles e o programa em si.

Amplie o conteúdo do programa com atividades e livros

Se vocês acabaram de ver um programa que apresentou os números, converse sobre isso ou ache outros exemplos para mostrar para ele.

Quando colocar a mesa para o jantar, por exemplo, diga: “Ei, no programa de hoje tinha o número três, e há três pratos na mesa!”.

Também é uma boa ler e mostrar livros que exploram o conceito de números, ou das letras do alfabeto.

Os vídeos podem servir também para reforçar a educação musical do seu filho.

Preste atenção no exemplo que você dá

As crianças são muito suscetíveis ao exemplo que os pais dão. Então, não fique o tempo todo plugada em vídeos e dispositivos eletrônicos, e não mantenha a TV ligada em casa como “som ambiente”.

Estas recomendações foram desenvolvidas com a ajuda de Kathleen Acord, supervisora de projeto do programa “Ready to Learn” (Pronto para aprender), da rede americana KQED, que ajuda pais e educadores a usar a TV como um instrumento de aprendizado.

Fonte: babycenter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *